Por volta de 1090 na cidade de Dijon, na França, nasceu Bernardo. Oriundo de família cristã muito rica e poderosa, o que destacava o rapaz dos seus irmãos era a inteligência fora do normal que ele demonstrava ter desde muito pequeno. Mesmo sendo ovacionado pelos seus dons nunca deixou de lado uma qualidade especial, sua modéstia.

Após a morte de sua mãe, o pai de Bernardo decide ingressar seus filhos na carreira militar, porém o rapaz se recusa e prefere seguir uma vida religiosa, contrariando não apenas o pai, como todos os demais membros de sua família. À principio, houve esta recusa por parte dos familiares de Bernardo, mas o jovem tinha o poder da palavra a seu favor e foi graças a este dom que Deus havia lhe dado que ele consegue não apenas levar consigo para o caminho do Senhor seu pai como
outros membros de sua família.


Bernardo ingressa no recém e pequeno Mosteiro da Ordem de Cister que acabara de ser fundado. Seu empenho dentro da instituição foi tão grande que chegou a ser condecorado com o titulo de segundo fundador. O empenho e dedicação de Bernardo fez crescer o mosteiro em pouco tempo e ele sozinho acaba fundando setenta e oito unidades.

Vivenciou uma época de turbulência dentro da Igreja e por diversas vezes teve que deixar de lado sua vida dentro do mosteiro para atuar na sociedade, praticou várias profissões, e nunca deixou que abatessem sua fé, sempre foi um ótimo político e pacificador. Bernardo além de dedicar se a sociedade e aos mosteiros encontrava tempo para escrever, foi um dos maiores escritores de seu tempo.

Com o passar do tempo sua rotina extremamente puxada o fez adoecer, quando percebe que seu estado de saúde era irreversível faz questão de ser levado para o seu Mosteiro de Claraval. Mesmo após a sua morte suas obras continuaram sendo estudadas e usadas como fonte de inspiração para novos padres, sacerdotes e monges. 

No ano de 1174  São Bernardo é canonizado, séculos após sua canonização o Papa Pio VIII o garante  com honrarias o título de Doutor da Igreja.