Dentre os diversos conselhos de São Bento, ele indica aos monges a terem sempre diante dos olhos a presença da morte. Este ensinamento encontra-se no capítulo 4º, Os Instrumentos das Boas Obras, na famosa regra de vida escrita pelo santo, conhecida como Regra Beneditina ou simplesmente, Regra de São Bento.

O livro com 73 capítulos oferece preceitos práticos para que uma comunidade de monges ou monjas possa viver em harmonia, para que todos juntos, alcancem o céu. Nada mais é do que uma interpretação do Evangelho, ensinamentos do próprio Cristo. Esta obra foi escrita em Montecassino, um dos mosteiros que o abade santo fundou e foi superior.

Cerca de 1.500 anos após ter sido escrita, é a Regra de São Bento norma de conduta para mais de 25.000 homens e mulheres que atualmente moram em mosteiros espalhados pelo mundo. Estão se preparando para o encontro definitivo com Deus. Terão, caso sigam com afinco e devoção os ensinamentos da regra, a ajuda de São Bento que antes de escrevê-la, a viveu.

O preceito ter sempre a morte diante dos olhos, lembra ao monge ou monja, de que o último suspiro pode vir a ocorrer a qualquer momento. E se lembrarmos sempre disso, evitaremos cometer o mal, este que poderá nos levar à danação. Não sabendo quando será o momento da morte, buscamos viver em harmonia com a mensagem divina, fazer o bem a todo o momento. Todos querem o céu, a alegria de estar com Deus. Ora, seria vergonhoso ser pego no ato da maldade. Pelo contrário, se a morte surgir quando estamos a cometer o bem ou mais próximos da pureza, em sintonia com o preceito sagrado, há uma maior possibilidade de tais atos pesarem em nosso favor.

Sabendo disso, e desejando que todos possam também apreciar tal sabedoria, São Bento morre em oração. Isto ocorreu em 21 de março, o que a tradição chama de Trânsito de São Bento, festa para toda a Ordem Beneditina. São Bento morre enquanto estava rezando o Ofício Divino, oração oficial da Igreja. Após sentir-se mal, percebe que sua hora está próxima. Ele morre em pé, sustentado pelos monges, com as mãos estendidas para os céus. Entregou-se a Deus.

Muitos na Igreja não conhecem esta data. Porque o dia de São Bento se comemora em 11 de julho? Esta é uma data alternativa. Acontece que muitas vezes, 21 de março cai durante a Semana Santa, não podendo São Bento ser comemorado. Para o santo não ficar sem festa, buscou-se uma outra data. 11 de julho foi escolhida pelo fato de neste mesmo dia, em 577, ter sido a Abadia de Monte Cassino, invadida pelos bárbaros. Para proteger as relíquias de São Bento, retiraram-nas os monges a tempo e a transladaram para a França.

Vitral para visitação sobre o Trânsito de São Bento no Mosteiro de São Bento, Centro de São Paulo SP.

 

Dom João Baptista Barbosa Neto, OSB
Mosteiro de São Bento de São Paulo

 

Conheça o Mosteiro de São Bento, Site | FaceBook

Confira os mais variados Artigos Religiosos Católicos em nossa loja virtual.